Prefeito libera retorno às aulas presenciais em universidades

Escolas também terão reabertura para atividades de reforço em outubro

Coletiva de Imprensa para anúncios da Prefeitura de São Paulo sobre o coronavírus. (Créditos: Reprodução/YouTube)

Coletiva de Imprensa para anúncios da Prefeitura de São Paulo sobre o coronavírus. (Créditos: Reprodução/YouTube)

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciou nesta quinta-feira,17, que autorizou a retomada das aulas presenciais para alunos do ensino superior a partir do dia 7 de outubro. Já para o Ensino Infantil, Fundamental e Médio, a reabertura foi autorizada apenas para atividades de reforço.

“Não tem mais sentido, com os dados que nós temos, continuar a proibir o ensino superior na cidade de São Paulo. E em relação aos alunos de 0 a 17 anos, de responsabilidade do município, estado e rede privada, vamos liberar a partir de 7 de outubro as atividades extracurriculares”, explicou Covas.

O prefeito também explicou que o município vai continuar a realizar os inquéritos tanto de adultos quanto de crianças para poder avaliar se mantem a mesma linha ou outra posição a partir de 3 de novembro. Pelo cronograma de reabertura do governo estadual, a retomada das aulas presenciais está prevista para o dia 7 de outubro, desde que 80% da população do estado esteja na fase amarela do plano de flexibilização econômica há 28 dias.

Resultado do inquérito sorológico 

Durante o anúncio, também foram divulgados os dados da nova etapa do inquérito sorológico feito em alunos da rede pública e privada. Mais de 244 mil alunos das duas redes já tiveram contato com o vírus da Covid-19 na capital e 66% são assintomáticos. A terceira fase do inquérito sorológico entre crianças e adolescentes aponta que 16,5% dos alunos possuem anticorpos do novo coronavírus.

Já no inquérito realizado em adultos, o percentual de pessoas que já tiveram coronavírus aumentou de 11% para 13,9%. A estimativa é de que 1,64 milhão de adultos tenham tido contato com o vírus da Covid-19 na capital.  A pesquisa constatou uma média de 40% de assintomáticos entre maiores de 18 anos.

O exame sorológico avalia a presença de anticorpos específicos (IgM/igG). Portanto, identifica casos passados da doença. Ele é usado para monitorar a porcentagem da população que já teve contato com o vírus. A presença de anticorpos no organismo não significa que a pessoa está imune à doença.

Notícia publicada em: 17 de setembro de 2020

Educação, Notícias, Saúde

]